terça-feira, 11 de dezembro de 2007

O meu país!

Desculpem meus queridos bloguistas, mas hoje o tema deste post é um pouqito diferente dos outros que aqui escrevo. Resolvi que hoje teria de postar sobre este tema, já ando há alguns dias a pensar se devia ou não escrever aquilo que vou dizer... Mas como não sou mulher de meias medidas, resolvi arriscar, se não gostarem desculpem mas teve de ser!

Quero antes de tudo, dizer que sou uma pessoa que gosta imenso deste pais, mas estou extremamente revoltada... Parece que ultimamente o nosso país tem sido assolado de noticias tristes e pouco positivas. Taxa de desemprego aumenta, estando muitos dos licenciados nessa taxa, assassinatos consecutivos na noite do Porto, crianças que têm de lutar por um réstia de esperança em cuba, pois no nosso pais, foi-lhes dito que seria impossível qualquer tipo de recuperação, greves da função publica, enfim... Em primeiro a função publica, deveria ser a primeira a olhar para o seu umbigo, eu cá não tenho nenhum tipo de desconto por trabalhar numa empresa privada, ao contrario de vocês tem sempre descontos e até os vossos filhos podem usufruir dos mesmos... Fazeis greves e não pensais que provavelmente sois mais beneficiados que os trabalhadores normais! Depois quando o governo vos corta na casaca quereis fazer logo greve. Este tipo de trabalhadores deviam era trabalhar em empresas privadas para ver o que era bom.. não queres trabalhar então rua... É vergonhoso o que se passa e depois ainda se queixam!! Vocês deviam era receber o mesmo tipo de tratamento que vocês dão às pessoas que se deslocam aos locais públicos. É claro que existem excepções, existem pessoas muito simpáticas, mas a maioria acho que todos sabem como é...
Tive um entrevista de trabalho há pouco tempo, onde me foi perguntado se era daquele tipo de cidadão que queria ver este pais ir para a frente. EU SOU!!Quero muito que este pais se desenvolva, que aposte nas pessoas, mas não podemos estar à contar com o estado para tudo. Temos de ser pro-activos, lutar para melhores condições e cumprir com os deveres e direitos de cada um... Eu sou daquelas pessoas que não está à espera que as oportunidades me venham ter em cima. Não vou para o estrangeiro, nem vou fugir... Vou ficar e lutar!! ( até ser possível para tal) Temos um pais tão lindo e espectacular... Porque será que os portugueses quando emigram e começam a trabalhar noutros países, são reconhecidos como exemplos de trabalhadores, mas porquê quando estão no nosso pais,trabalhar é que não é com eles! Porque raio é que isto não vai para a frente??


Como é que é possível um pais aceitar e dar as boas vindas a pessoas que tanto mal tem feito, que estão no poder à anos e que se intitulam como lideres supremos e que democracia é o não falta no seus pais de origem? quando todos nós sabemos, o mundo sabe que eles não passam de um bando de estupores que deviam era estar presos, que violam os direitos humanos constantemente, que ostentem o luxo, enquanto as populações passam fome e sem condições humanas para viverem. Porquê todos se calaram e ninguém falou nos milhares de pessoas deslocadas do Darfur e aqueles milhares de pessoas que já morrerem?? Não existem?? não tem nome, nem dinheiro.... Infelizmente vivemos num mundo de hipocrisia e de luxos... Dou aqui a minha palavra de força a todas a pessoas que neste momento sofrem qualquer tipo de violação dos seus próprios direitos como pessoa!! Tenho de acreditar que haverá justiça um dia para todos estas pessoas sem rosto....eu acredito que um dia tudo pode mudar, se todos nos unirmos!!
Desculpem o desabafo, mas já não dava mais.... Fica esta imagem, para vos deixar a pensar!!

18 comentários:

QJ disse...

Olá Borboleta, pois é o mundo... é e passo redundância, um mundo de cinismo, onde uns vivem muito bem, e outros muito mal, pelo meio há uns que vão sobrevivendo.

http://www.invirtus.net/in/story.php?title=138-pa%C3%ADses-reunem-se-hoje-e-4%C2%AAfeira-na-ONU-para-avaliar-situa%C3%A7%C3%A3o-da-crian%C3%A7-no-mundo

Momentos Inolvidáveis disse...

olá borboleta... li-te... entendi-te... mas tenho que deixar algumas palavras... os funcionários públicos não são na sua maioria tudo isso que tu disseste... e assim como tu tb fui muito revoltada... mas a pouco e pouco e com a minha expeiência de vida fui percebendo... e a verdade não é aquela que vemos, aquela que ouvimos... por causa de uns pagam os outros...

Para que possas entender um pouco... as greves sempre existiram... e têm que continuar a existir... os sindicatos são importantes.... são eles que negoceiam o nosso futuro... e se eles n existissem as privadas exploravam muito mais... são eles que lutam pelos nossos direitos... mas essas negociações.... as pessoas que merecem o nosso respeito e admiração... essas nós n as reconhecemos na tv... nos jornais... são pessoas normais que lutam pelo nosso futuro... pelo futuro das novas gerações... e não me estou a referir aos politicos... pq esses... sem comentários... leste alguma vez a "queda de um anjo" do camilo castelo branco.... caso tenhas lido percebes que é uma história sempre muito actual...

Acho que me perdi na divagação... o que pretendia era deixar a ideia que algumas coisas existem, pq sem elas n existiriam outras...

beijinhos

SABT71 disse...

olá borboleta, pela 1ª vez resolvi entrar com um comentário, apesar de passar por cá quase todos os dias, mas o meu comentario é sobre o post. Concordo com quase tudo o que escreveste, pois existem muitos funcionários publicos que reclamam de barriga cheia, mas não podemos metelos todos no mesmo saco, se metade deles viessem trabalhar comigo durante 2 meses eu aposto que passavam a dar mais atenção ao seu serviço, porque como dizes, por cá pouco ou nada se quer trabalhar, mas tanto no publico como no privado, eu no meu serviço visito várias empresas e vejo isso mesmo, se for publico a meio da tarde já se estão a preparar para despegar, se for no privado dão respostas fabulosas como "se está com pressa vá andando ou calma que eu só saio ás 6, e depois dizem que o pais tá mál, que tal se exprimentassem a trabalhar???

NM disse...

Gostei de passar e de ler os teus textos. Um beijinho.

Vânia disse...

Belíssimo momento...
Não percas a esperança. Faz a tua parte porque de qualquer das formas não há mais nada que possas fazer para mudar a situação... Tanta revolta só te vai trazer rancor.

GAGGINGyou disse...

trabalhar é contra-natura (também há quem diga isso do sexo anal lololo...que cretinos, enfim ), e é tão contra-natura que te pagam para o fazeres! Dinheiro não é tudo...mas motiva! Quando tu recebes por exemplo 500€ para fazeres o que te pedem (mais tudo o que se conseguirem lembrar e que geralmente começa com a frase "epá, já agora...")e, a 2 ou 3 países de distancia recebes 600€ ( mesmo que o nivel de vida custe o dobro ... sobra muita possivel qualidade de vida )o que dizer?...sentes-te como? explorado? enrrabado? desmotivado? acrescenta a isto um país onde o "pão e circo" são beneficiados fiscalmente mas as mulheres vão dar á luz a espanha e...

Gosto de Portugal... mas não deixa de ser uma MERDA de país!

cheiodetesao disse...

Mas "eles" falaram no Darfur...

E quantos aos que cá vieram e que muito tempo estão no poder... Nada a fazer. Era uma reunião entre estados, foram convidados os estados para essa reunião, não para um encontro de boas-vindas...


Não comento a primeira parte do teu post, desculpa

Pekenina disse...

Nem sei o que dizer... tanta verdade junta. Quando é para trabalhar ninguém aparece, mas para as bandeiras na janela e apoiar a selecção somos o país mais unido que existe...! Sinceramente o meu cérebro por vezes atrofia com tanta estranheza.
Beijinho,
Pekenina*

RedLightSpecial disse...

Pois fizeste tu muitissimo bem em abordar este tema!
É algo que nos incomoda a todos, um absurdo, non-sense!
Está tudo de pernas para o ar e a falta de pro-actividade choca-me profundamente.
limito-me a fazer individualmente aquilo que posso... mas com a plena consciência que não passo de um simples grão de areia neste cantinho à beira mar plantado.
Se todos fizermos barulho e nos consciencializarmos dessa realidade, talvez o nosso país vá para a frente.
beijos para ti!

Revoltoso disse...

Minha Querida. sobre o tema apenas tenho a dizer esta frase.
Falta de Coragem para mudar todo.

Beijo Revoltado

marcox disse...

país com miserias e são uns 'reis' cá!

Borboleta Endiabrada disse...

tou a ver que quase todos concordam.. Apesar de tudo respeito todas os comentarios e pessoal vamos À LUTA!!!!;)

AcidoCloridrix disse...

De coisas diferentes se faz a nossa vida,,, já tinha saudades tuas,,, beijooo,,, HCL

2 idiotas super hiper ri fixes disse...

Oi linda!

Percebo o motivo que te levou a este post, mas como sou funcionária pública, tenho de me defender um pouquinho só...

Sempre fui contra aqueles funcionários que estão sempre de má cara, atendem mal as pessoas , ou se não fazem atendimento, deixam acumular o serviço em cima da secretária porque amanhã é outro dia.

Se hoje estou onde estou é porque penso completamente diferente. Comecei por baixo, como motorista, e hoje estou como assistente administrativa e a fazer uma coisa que gosto e sei que faço bem, atender público. Não sou daquelas pessoas que trazem os problemas de casa para o trabalho e vice versa. E acredita, ultimamente, tenho feito um grande sacrifício para não transparecer para os que aqui chegam o estado em que me sinto.

Sempre houve sindicatos, greves, porque se não for assim os mais fracos vão-se abaixo das canelas.

Sempre houve os ricos e os pobres, o dinheiro sempre andou mal distribuído, e na função pública, como nas privadas, ou noutro sítio qualquer,sempre existiu das 2 coisas: aqueles que ganham muito bem e passeiam à custa do zé povinho e aqueles que são escravos dessa gente e recebem muito pouco.

A diferença é que o emprego está certo depois de entrar no quadro, a não ser que se porte muito mal e leve um processo disciplinar. Mas as imagens que vemos para o futuro estão a mudar de cor e qualquer dia estamos igual a qualquer outro funcionário.

Bjs
Borboleta Azul

Blogues Eróticos disse...

Boas Borboleta, primeiro obrigado pelo teu comentário, e deixa que te diga é uma "distinção" merecida!
Quanto ao teu post, concordo e percebo a tua raiva, e digo-te que não é maior do que a minha. Mas não me parece que seja correcto, castigar a função pública porque os outros não se mexem. Quando dizes:
"Fazeis greves e não pensais que provavelmente sois mais beneficiados que os trabalhadores normais! Depois quando o governo vos corta na casaca quereis fazer logo greve. Este tipo de trabalhadores deviam era trabalhar em empresas privadas para ver o que era bom.. não queres trabalhar então rua...", não percebo se queres dizer que quem trabalha para as empresas particulares (ou como tu dizes: "os trabalhadores normais") tem condições tão boas de trabalho que não necessitam de se queixar? Ou se, como quem se queixa vai para a rua, então ficamos caladinhos e criticamos aqueles que se queixam, os "trabalhadores anormais" (em detrimento dos outros). É que curiosamente, uma das industrias mais importantes para o país, a industria têxtil, tem cerca de 80% dos trabalhadores a viver com o ordenado mínimo (cerca de 400 €). Os mesmos trabalhadores, se "fugirem" e forem por exemplo para o Luxemburgo, Inglaterra ou Irlanda vão encontrar salários mínimos entre os 1500 e os 1300 €. E esta é uma das muitas respostas à tua pergunta "Porque será que os portugueses quando emigram e começam a trabalhar noutros países, são reconhecidos como exemplos de trabalhadores?"
Quando dizes: "Dou aqui a minha palavra de força a todas a pessoas que neste momento sofrem qualquer tipo de violação dos seus próprios direitos como pessoa", não te esqueças que o "direito à greve" também é um direito fundamental, pelo qual morreu muita gente...
Juntos na mesma luta, mas com opiniões diferentes deixo-te um beijinho e por favor não me leves a mal....

A Túlipa disse...

Realmente dá que pensar. Mas não são funcionários públicos. São pesosas. e como em tudo há pesosas que trabalham e pessoas que ficam por trabalhar.

É como em tudo.

'

http://intimomisterio.blogs.sapo.pt/ disse...

Nem comento tanta estupidez das pessoas q governam este pais!

Beijo querida

piggy disse...

Pois no meio de tanta desgraça, deixem-me dizer-vos que a ultima vez que me orgulhei e muito do meu país foi justamente durante o Euro...
Pulei e gritei, acenei com a bandeira na mão e chorei de alegria por Portugal.
Coisa que nos meus 40 anos nunca tinha acontecido.
Se for pecado, eu aqui me confesso, pecadora.
Luto como posso para empurrar isto pá frente, mas também confesso que me sinto uma formiga a empurrar um camião...
Gostei mto de cá vir.
bj